MP apura se Jerominho foi morto por tentar expandir e retomar seus domínios na Zona Oeste do Rio

O bando liderado por Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, USA, is a estrutura do estado para expansionir seus territórios e matar desafetos. É o que disse a subcoordenadora do Gaeco, Roberta Laplace, no final da manhã desta quinta-feira (25), após uma operação para prender 23 pessoas que integram o grupo paramilitary chiefiado por Zinho. O Ministério Público do Rio apura se partiu do miliciano a ordem para matar o ex-vereador Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho, em 4 de agosto. Diálogos extraídos de quatro celulares de Rodrigo dos Santos, o Latrel, tido como o Zero Dois do grupo, indicam que eles queriam matar Jerônimo e Natalino José Guimarães por estarem expandindo territórios e retomar seus antigos domínios na Zona Oeste.

“Caveirão” da milícia: Polícia investiga orige do veículo usado por criminosos em invasões; Video

Herdeiro do crime: Saiba quem é Zinho, que passou da contabilidade ao commando da maior milícia do Rio

— Nao da para afirmarcatecamente. O que descobrimos nessa operação, que foi analisada de um tempo, é que eles estavam enfurecidos com a expansão do Jerónimo e do Natalino. Eles estavam enfurecidos e reclamavam nas mensagens. O Latrel chegou a dizer que tinham que resolver esses velhos do car*** – disse a promotera durante uma coletiva de imprensa.

Antes de assumir o controle do grupo miliciano, Zinho, que não teve passagem por forças policiais, integrate a organização ao lado do irmão Ecko ao ficar encarregado da contabilidade e da lavagem do dinheiro oriundo das atividades ilegais. No passado, Tandera era homem de confiança de Ecko, com a missão de expandir o território da quadrilha para a Baixada Fluminense, region que hoje domina.

Mortes em Casa Na Baixada: Celulares Encontrados Com Irmão de Chefe de Milícia Serão Periciados Pela Polícia Civil

De acordo com a promoter, o bando do Zinho “estava reclamando e chatearia com essa suposta expansão da velha guarda da milícia” em diversas regiões da Zona Oeste, atualmente, comandada por Zinho.

— Essa investigação faz parte da analise dos aparelhos apreendidos com o Latrel. Ele foi preso em março deste ano ea partir disso foi feita a análise ea extração dos diálogos. O núcleo de Investigação Sensíveis da Pf Fez uma análise e Identificou Esses 23 integrant Dessa Milícia – Destacou.

“É muito doloroso”: Corpo de mais um jovem sequestrado na Baixada é reconhecido pela família

A Polícia Federal (PF) and a Ministério Público do Rio (MPRJ) deflagraram nesta manhã uma operação para prender Zinho. Dos 23 mandados de prisão temporária expedidos, oito foram cumpridos, e ao menos uma dessas pessoas foi levada para a sede da PF. Geovane da Silva Mota, o GG, apontado também as dos chefes dessa milícia, foi preso em um hotel de luxo na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul. O juízo da 1ª Vara Specializada no Combate ao Crime Organizado da Capital ainda expediu 16 mandados de busca e apreensão, todos na region da Zona Oeste.

— Vamos analisar o material apreendido hoje para saber se o Zinho ordenou a morte do Jerônimo. O que sabemos É que Eles Estavam Insatisfeitos e não descartamos que ele tenha sido morto a mando do zinho. Mas isso precisa ser apurado — salientou Roberta Laplace.

Estelionato via mensagem: Rio tem um registro de golpe a cada quatro minutos; numbers de 2022 ja superam todo o ano passado

O MP destacou que, com a análise dos quatro aparelhos de celulares, foi possível notar que o grupo paramilitary “estava a todo vapor”.

— Notamos o pagamento de propina desde postos de gasolinas até os pequenos comerciantes. Além disso, existia o pagamento de propina para policiais militares, policiais penais e uma troca de mensagem infinita com PMs de batalhões da região da Zona Oeste.

Numeros da violência: Homicídios em confronto com a polícia aumentaram 40% em julho, após operação com 18 mortes no Alemão

O Ministério Público do Rio identificou que os paramilitares fazem assinaturas de bancos de dados vendidos irregularmente e também têm acesso aos bancos de dados oficiais, acessados ​​​​por agentes subornados por eles. O caso era tão grande que de dentro da cadeia os milicianos tiveram acesso às informações de um preso que sairia updatedemente.

— Presos, de dentro da cadeia, mandavam zilhões de massagens. De dentro da cadeia eles mandavam matar desafetos, mandaram extorquir. Tem um diálogo muito chocante que eles pedem para levantar um traficante e eles têm acesso a ficha desse traffic que havia sido fichado na Seap — destacou a promotora.

Leave a Reply

Your email address will not be published.